NOVO ARTIGO PUBLICADO

30.03.2018

 

“O atual discurso de flexibilidade organizacional, o qual faz referência à liberdade oferecida ao trabalhador e a maiores vivências de prazer, pode se tratar da legitimação da dominação burocrática adaptada a um novo contexto, implicando, assim, no agravamento das vivências de sofrimento no trabalho.”

O trecho acima é um dos argumentos utilizados por Monique Nascimento, Eloise Dellagnelo e Renê Birochi, autores do trabalho "FLEXIBILIDADE ORGANIZACIONAL E VIVÊNCIAS DE PRAZER-SOFRIMENTO: UM ENSAIO TEÓRICO", que acaba de ser publicado pela Revista Brasileira de Estudos Organizacionais.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook - Grey Circle